O novo consumidor em destaque no Congresso

Congresso_APED_Jean-Jacques_Vandenheede_3.jpg

A tarde de dia 3 de maio foi totalmente dedicada à análise do presente e do futuro do setor do retalho. Temas como o novo consumidor, o big data, meios de pagamento e sustentabilidade foram levados aos congressistas que marcaram presença no Museu do Oriente.

Com um conjunto de oradores de renome internacional, o painel “Retalho: as chaves de acesso ao Consumidor” levou aos participantes do evento importantes soluções e ferramentas para o setor.

Pedro Pina, Google Global Client Partner, com base na sua experiência numa das mais reputadas empresas internacionais, abriu este painel com a apresentaçãoPrecision Marketing at Scale”. Destacou o conceito de micro-momentos – os “I-want-to-know moments”; “I want-to-go moments”; “I-want-to-do moments”; e “I-want-to-buy moments” – e sublinhou que, graças à crescente importância do online, “a presença digital consegue garantir tráfego nas lojas físicas”. Existe, assim, uma correlação direta entre consultar uma loja online, visitá-la e comprar produtos, afirmou.

Jean-Jacques Vandenheede, diretor europeu para pesquisas de retalho na Nielsen, foi o segundo orador da tarde. Focando-se no tema “YOU are the creator of your own destiny”, referiu que as preocupações dos consumidores hoje em dia focam-se em diferentes temas, como economia, preços da comida, instabilidade no trabalho, saúde e terrorismo. Vandenheede sublinhou ainda que em 2015, os consumidores portugueses gastaram mais 40% do que em 2006. E, por isso, o declínio do hipermercado é um mito.

Paul Lee, que lidera a área de pesquisa da Deloitte UK, com enfoque nos temas da tecnologia, media e telecomunicações, foi outro dos oradores desta tarde. No seu discurso, cujo tema foi “The outlook for payment: is cash doomed?”, referiu o facto de o smartphone ter cada vez mais poder nos dias de hoje. As novas tecnologias, para além da sua já massiva utilização, vão continuar em crescimento, principalmente por parte dos grupos etários mais jovens que dependem cada vez mais delas. De acordo com dados revelados pelo orador, jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos consideram o computador e o telemóvel como complementos, não como substitutos um do outro.

Carlo Ratti foi o último orador deste painel no primeiro dia do Congresso APED. O director do MIT Senseable City Lab, que falava sobre o tema “Senseable Food”, afirmou que “o digital não matou o físico. Na verdade, ambos coexistem”. Isto para mostrar que, apesar do enorme avanço da tecnologia e de esta estar cada vez mais presente na sociedade, ainda é possível assistir a uma convivência entre os meios contemporâneos e os tradicionais.

O encerramento da tarde de análise ao setor ficou a cabo de Tony Juniper, perito em ambiente e sustentabilidade, que destacou: “as empresas devem atuar: proteger as marcas e a reputação, mantendo-se no lado certo desta luta [de defesa do ambiente]”. Juniper acredita que a transformação já começou e a “sustentabilidade tornou-se o novo normal”. O Paris Agreement, por exemplo, é um dos projetos que contribuiu para estas mudanças cruciais. “Não basta dizer que nos preocupamos, é preciso mostrá-lo”, afirmou.