O hiperlocal é a nova globalização

hiperlocal.jpg

O conceito de hiperlocalização, que surgiu nos anos 90 associado a conteúdos noticiosos de interesse local, está agora ligado à massificação das tecnologias cada vez mais presentes no dia-a-dia.

A ascenção do ecommerce é uma realidade e as vantagens que a tecnologia oferece no que diz respeito ao setor do retalho têm cada vez mais interesse para as empresas. Estes e outros temas vão estar em debate no VI Congresso APED, que decorre a 3 e 4 de maio, no Museu do Oriente, em Lisboa.

A aplicação YouBeep, da startup portuguesa Xhockware e disponível para download nos próximos meses, permite ao consumidor registar e pagar as compras no supermercado através do smartphone. Pode evitar as filas do supermercado, e fazer as compras com mais rapidez e comodidade, tal como garante João Rodrigues, CEO da startup, em entrevista ao Dinheiro Vivo: “Esta solução permite a maior autonomia do cliente e a aplicação a todo o tipo de lojas, independentemente da tecnologia do sistema de venda, dimensão ou número de clientes diários”.

A Xhockware tem sistemas instalados em lojas Pingo Doce e Lidl, mas o objetivo passa por expandir o número de lojas bem como explorar outros mercados onde já têm algumas iniciativas, como Alemanha, Reino Unido, Itália e países nórdicos.

Estas aplicações, que garantem autonomia e permitem poupar tempo, estão associadas à lógica da proximidade e são um negócio cada vez mais rentável. Mas a privacidade ainda é uma questão que se impõe, como afirma André Freitas, cofundador da NearUs, ao Dinheiro Vivo: “A privacidade será sempre uma questão nas apps de hiperlocalização; a grande diferença é de como cada app processa e guarda este tipo de informação e quão segura é”.