Do turismo à “perspetivas económica para o futuro” de Paul Krugman

Congresso_APED_Paul_Krugman_2.jpg

Paul Krugman, Prémio Nobel da Economia, foi keynote speaker no último dia do Congresso APED, que debateu ainda a importância do retalho como ativo turístico e o futuro das marcas da distribuição.

As intervenções de Miguel Seixas, Vice-presidente da APED, e da Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, deram início ao segundo e último dia do Congresso APED.

Importante tema da atualidade, o turismo esteve em debate nesta manhã, numa mesa redonda moderada por Ricardo Costa, diretor-geral de Informação do grupo Impresa, e com a participação de Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, Luiz Mór, Vice-Presidente da TAP, e Renato Lira Leite, Managing Director of Global Blue Portugal.

Fernando Medina destacou que “o turismo é um tema que domina e é central na cidade de Lisboa”, tendo apresentando dados que o confirmam: o número de chegadas ao Aeroporto de Lisboa passou de 15 para 20 milhões em 3 anos.

Já Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, garantiu que o turismo é um dos grandes motores das mudanças no sector do retalho e o principal beneficiado de um retalho de qualidade. “Está como causa e efeito na área do retalho”, afirmou.

O vice-presidente da TAP, Luis Mór, destacou que “os efeitos do turismo são efeitos da globalização”. Assim, para que o turista goste da cidade, é necessário que os habitantes também gostem dela. No fundo, e tal como Luis Mór fez questão de referir, “temos de devolver as cidades às pessoas”.

Por sua vez, Renato Lira Leite, Managing Director of Global Blue Portugal, sublinhou: “o grande desafio do retalho é a adaptação e o conhecimento dos turistas”, sendo por isso necessário perceber como acolher turistas, tentando adaptar a cultura de forma a conseguir mantê-los interessados ao país.

O setor do retalho e distribuição esteve ainda em análise nesta manhã com a intervenção de Allan Noddle, Non-Executive Chairman Board of Directors da Winery Exchange Inc. “Future of Private Brands” foi o tema em destaque e Noddle começou o seu discurso por afirmar que há desafios tanto para fornecedores, como para retalhistas e consumidores. No caso dos fornecedores os desafios centram-se no baixo crescimento, pressões de ativistas e stakeholders, consolidação e cortes de custos. Para os retalhistas os problemas são, entre outros, a concorrência intensa, consolidação e pressão de margem. Já os consumidores rejeitam as marcas nacionais, não adotam as estratégias do marketing de massas e exigem rapidez, eficiência e conveniência.

Perto do final do VI Congresso APED, subiu a palco o seu keynote speaker: Paul Krugman. O Prémio Nobel da Economia apresentou “Uma perspetiva económica para o futuro”. Krugman afirmou que a “austeridade ensaiada” pretendia relançar a economia, propiciando níveis de crescimento financeiro, o que não se veio a verificar, pois os níveis de austeridade foram deveras mais severos que necessários tendo como efeito uma depressão mais significativa. O professor concluiu que, apesar deste contexto, o pânico já passou e a incerteza foi contida devido à forte liderança exercida pelo BCE.

As conclusões deste VI Congresso APED estiveram a cargo de Ana Isabel Trigo Morais, diretora-geral da APED. O Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, encerrou os trabalhos.