Notícias

Setor é parte da solução para combate à pandemia

14-04-2021

A disponibilidade do setor para fazer parte da solução da crise sanitária, a venda de autotestes e de EPIs, a legislação laboral e o processo do 5G foram os principais temas abordados na entrevista da Agência Lusa ao Diretor-Geral da APED.

Gonçalo Lobo Xavier sublinhou a disponibilidade do setor para fazer parte da solução, salientando a importância de os supermercados e hipermercados passarem a vender autotestes de Covid-19, considerados agora produtos essenciais, à semelhança do que tem vindo a ser feito com a venda dos equipamentos de proteção individual, como as máscaras, o álcool gel, entre outros. “O setor quer ajudar a disponibilizar à população mecanismos importantes para combater a pandemia”, sublinhou Gonçalo Lobo Xavier.

Relativamente às medidas de restrição impostas pelo Governo, a APED voltou a apelar a que o rácio de pessoas por m2 seja aumentado em todos os espaços comerciais, sendo a medida decisiva do desconfinamento que irá promover a recuperação do setor.

Sobre o novo decreto imposto pelo Governo acerca do teletrabalho, o Diretor-Geral da APED considera não fazer sentido impô-lo até ao fim do ano, pois devem ser as empresas a definir junto dos seus trabalhadores o que é que é melhor para estes e para a empresa.

Nesta entrevista, a APED deixou um apelo aos sindicatos para que se modernizem, de forma a conseguirem obter crescimento para a retoma económica. Gonçalo Lobo Xavier apontou a necessidade de uma melhoria do contrato coletivo de trabalho e da criação de condições para que as pessoas tenham mais e melhor formação, num contexto em que o mundo do trabalho está em constante mudança.

A APED voltou a apelar à celeridade do processo 5G, de modo a permitir que as empresas possam capitalizar a tecnologia. A implementação desta tecnologia será determinante para o setor do retalho, não apenas na questão associada à transferência de dados e aos terminais de pagamento, mas ao permitir que as infraestruturas que utilizam inteligência artificial passem a estar ao serviço das empresas e dos consumidores, permitindo uma rápida recuperação económica e competitiva do país.